Brumado Notícias

Brumado Notícias

Resultado da busca pela categoria "economia"

Taxa de juros de operações de crédito cai pelo 4º mês seguido

13 Abr 2017 - 17h30

As taxas médias de juros das operações de crédito caíram em março deste ano em relação aos valores praticados no mês anterior, na quarta redução consecutiva de taxas. As informações são de pesquisa divulgada nesta quinta-feira (13) da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), que contempla seis linhas de crédito para pessoa física e três para pessoa jurídica. Todas as linhas pesquisadas pela Anefac tiveram redução de juros em março, na comparação com fevereiro. Para o diretor executivo de estudos e pesquisas da Anefac, Miguel de Oliveira, a queda é consequência da redução da taxa básica de juros, a Selic, promovida pelo Banco Central. De acordo com o G1, no fim do ano passado, o Banco Central iniciou um ciclo de redução da taxa básica de juros. Na reunião desta quarta-feira (12), o Banco Central fez seu quinto corte consecutivo e a Selic atingiu 11,25% ao ano, o menor valor em desde 2014. Para ele, a continuidade da redução da taxa Selic abre espaço para novas redução no juro do crédito ao consumidor final. Ele ressalta, no entanto, que isso pode não se confirmar se os índices de inadimplência continuarem elevados, o que encarece o crédito.

Brumadenses vão comer menos peixe no almoço da sexta-feira da paixão

13 Abr 2017 - 16h00


Brumadenses vão comer menos peixe no almoço da sexta-feira da paixão
Foto: Lay Amorim/Brumado Notícias

Os brumadenses estão comprando menos peixe para o almoço da Sexta-Feira da Paixão. Essa é a visão dos vendedores de pescado no Mercado Municipal. Alguns comerciantes preveem uma queda em mais de 30% nas vendas em comparação ao mesmo período de 2016 e de 50% em comparação a 2015. Segundo apurou o site Brumado Notícias, mesmo com a liberação do FGTS, a crise continua sendo o grande vilão no que diz respeito à compra dos pescados. Os comerciantes disseram que estão desapontados com as vendas levando em consideração que não houve um aumento nos valores do ano passado para cá, o que reforça a tese da falta de recurso na renda dos consumidores. Por outro lado, muitos consumidores estão fugindo da tradição do peixe e preferindo consumir frango como alternativa.

Resgate do FGTS aquece vendas e consumo de ovos de Páscoa em Brumado

13 Abr 2017 - 15h00


Resgate do FGTS aquece vendas e consumo de ovos de Páscoa em Brumado
Foto: Lay Amorim/Brumado Notícias

Os brumadenses vão consumir mais ovos de Páscoa e chocolate neste feriado. A previsão foi feita por empresários do ramo de supermercados e outros comerciantes ligados à venda desse tipo de produto. As informações colhidas pelo site Brumado Notícias dão conta de que este ano as compras de ovos de chocolate e demais produtos são maiores do que no mesmo período do ano anterior. Mesmo com a crise, os comerciantes acreditam que o resgate do FGTS contribuiu para o aquecimento das vendas, levando ainda em consideração a variedade e boa qualidade de novas marcas no mercado, com preços mais acessíveis do que as grandes marcas nacionais. As vendas também são boas para os autônomos que produzem iguarias em casa. Este ano, aumentou a demanda pela produção artesanal de trufas. A guloseima, que tem uma camada de chocolate com recheio de variados sabores, conquistou o paladar dos munícipes, tanto que há doceiras que não estão dando conta das encomendas e até tiveram de contratar mão de obra temporária para aumentar a linha de produção. Em um levantamento parcial feito por alguns comerciantes, acredita-se que este ano as vendas de ovos e demais produtos à base de chocolate devem aumentar em torno de 40% em comparação com o mesmo período de 2016.

Correios terão reajuste de 7,5% em seus serviços

13 Abr 2017 - 12h30


Correios terão reajuste de 7,5% em seus serviços
Foto: Lay Amorim/Brumado Notícias

As tarifas postais e telegráficas prestadas pelos Correios serão reajustadas em 7,49%, conforme determinação do Ministério da Fazenda, publicada hoje no Diário Oficial da União (DOU). De acordo com o jornal O Globo, o aumento passa a vigorar, contudo, quando o Ministério da Ciência de Tecnologia soltar uma portaria, o que deve ser feito apenas na semana que vem.

Total de famílias sem dinheiro para contas é o maior desde 2006

13 Abr 2017 - 10h30


Total de famílias sem dinheiro para contas é o maior desde 2006
Foto: David Sacks/Getty Images/Veja

O número de famílias que não terão condições de pagar as contas no próximo mês atingiu em março ao maior patamar desde outubro de 2006,  a 8,7%. O dado foi divulgado nesta quarta-feira pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e leva em conta apenas famílias paulistas.  Em fevereiro, esse percentual era de 8,4% e em março de 2016, de 6,7%. A maior proporção de contas em atraso foi percebida também nos grupos com renda de até dez salários mínimos. A proporção de famílias endividadas e a inadimplência também subiram no mês. Em março, 50,2% dos consultados declararam ter algum tipo de dívida, um alta de 1,7 ponto percentual na comparação com fevereiro. O aumento nos endividados encerrou uma sequência de três meses de queda nesse tipo de indicador. De acordo com a Veja, em números absolutos, a pesquisa mostrou que o total de famílias endividadas passou de 1,873 milhão em fevereiro para 1,941 milhão em março. Em março de 2016, esse número era de 1,979 milhão.

Inadimplência e consignados são grandes vilões dos processos de pequenas causas em Brumado

13 Abr 2017 - 07h00


Inadimplência e consignados são grandes vilões dos processos de pequenas causas em Brumado
Foto: Lay Amorim/Brumado Notícias

Dos cerca de 3500 processos acumulados no Juizado Especial de Pequenas Causas em Brumado, 30%, ou seja, 1.050 processos são de inadimplência, conforme dados coletados pelo site Brumado Notícias junto ao setor. Com a inadimplência, o comércio acaba recuando na abertura de crédito ao consumidor, o que gera baixo consumo e prejuízos para a economia local. Nossa reportagem ouviu alguns comerciantes que apontaram ter ficado com grandes prejuízos devido às contas não pagas ou acreditando no pagamento em cheque, muitas vezes sem fundo. Dentre os comerciantes ouvidos, alguns mencionaram que, durante um período, foram obrigados a cortar a linha de crédito no intuito de reprimir a inadimplência. A medida afetou clientes fieis que por pouco não abandonaram as lojas. “Para não perder esses clientes e as vendas ficarem estagnadas, reativamos os créditos, mas com mais cautela. Tivemos de ser mais seletivos, fazendo busca de dados sobre o perfil do consumidor para não sofrermos mais prejuízos”, disseram. Os empréstimos consignados também são vilões. Nossa reportagem apurou que, em muitos casos, as dívidas dos aposentados com as financeiras consignadas são para quitar dívidas de parentes, principalmente filhos que investem em veículos ou imóveis e encontram dificuldades para quitar as prestações.

Vendas no comércio caem 2,3% em fevereiro, diz IBGE

12 Abr 2017 - 17h30

As vendas do comércio varejista brasileiro recuaram 0,2% em fevereiro em comparação com janeiro, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (12). Em relação a fevereiro de 2016, o varejo nacional recuou 3,2%, 23ª taxa negativa consecutiva na base de comparação. No acumulado dos dois meses do ano, o comércio varejista acumula redução de 2,2% e, nos 12 meses, de 5,4%. Já em relação à receita nominal de vendas, houve alta de 0,4% em fevereiro em comparação ao mesmo período de 2016, de 0,1% em relação a janeiro deste ano, de 2,1% nos dois primeiros meses do ano e de 4,2% nos últimos 12 meses. O IBGE revisou ainda a taxa de janeiro em relação a dezembro. De acordo com o G1, em vez do recuo de 0,7% divulgado no mês passado, a revisão aponta que houve foi um crescimento de 5,5%. Segundo o instituto, foi feita uma atualização metodológica, aprimorando a amostra e reavaliando o peso de cada uma das atividades. 

Inflação do chocolate e pescado encarece almoço de Páscoa

12 Abr 2017 - 09h30


Inflação do chocolate e pescado encarece almoço de Páscoa
Foto: iStock/Getty Images

Os consumidores irão desembolsar mais para pagar pelos produtos típicos da Páscoa neste ano, segundo levantamento da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Dois dos itens mais comprados na época apresentaram aumento nos preços em relação à Páscoa de 2016. Os chocolates, tanto em barra quanto os bombons, acumularam alta de 12,61%. Outro item que vai encarecer o carrinho dos trabalhadores é o pescado, tradicional na mesa dos brasileiros na Semana Santa. O produto subiu 9,28%, em média. As bebidas alcoólicas também aumentaram de preço nos últimos doze meses, cerca de 6,83%. De acordo com a Veja, os vilões do almoço de Páscoa do passado, entretanto, estão mais baratos neste ano. A cebola e a batata inglesa, utilizadas no preparo da bacalhoada, tiveram queda de 51,15% e 42,14%, respectivamente. Em 2015, os mesmos produtos tinham registrado alta de 60,59% e 34,18%. Outros quatro produtos também estão mais baratos: pimentão (-27,3%), tomate (-26,92%), brócolis (-8,65%) e alho (-9,46%). 

Mais de 400 mil declarações do IR foram entregues na Bahia

11 Abr 2017 - 13h30


Mais de 400 mil declarações do IR foram entregues na Bahia

A Secretaria da Receita Federal informou que 407.781 mil declarações de Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) foram entregues pelos contribuintes baianos até as 17h desta segunda-feira (10), mais de um mês após o início do recebimento do documento. A expectativa da Receita é de que sejam entregues cerca de 1.150 milhão de declarações na Bahia, até o final do prazo, que é 28 de abril. Em todo o Brasil, até esta segunda-feira, foram recebidas mais de 10 milhões de declarações. Até o final do prazo, a Receita espera receber 28,3 milhões de documentos em todo o país.

Previdência: rombo nos estados foi de R$ 102 bilhões em 2016

11 Abr 2017 - 09h30


Previdência: rombo nos estados foi de R$ 102 bilhões em 2016
Foto: Veja

As previdências estaduais, somadas, tiveram déficit de 102,4 bilhões de reais em 2016. O cálculo é da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e consta em estudo sobre a situação fiscal das unidades federativas publicado na última semana. A instituição indica também que um fator importante na dificuldade financeira dos estados é causado pelos gastos fixos, sobretudo com funcionários. Dessa forma, o acordo de alívio em discussão na Câmara, e que deve ser votada ainda nesta segunda-feira, teria pouco efeito para aliviar as contas estaduais no longo prazo. Segundo o estudo, 24 das 27 unidades federativas tiveram déficit em suas previdências no ano anterior – apenas Amapá, Roraima e Rondônia fecharam no azul. A pesquisa da Firjan considera o gasto com aposentados e pensionistas um “desafio às contas públicas estaduais” pela necessidade de se direcionar grandes volumes de recursos para pagar essas obrigações. “No Rio Grande do Sul 40,5% da  RCL [Receita Corrente Líquida] foi direcionada para cobertura do déficit da previdência. Esse déficit supera 20% da RCL em Minas Gerais (27,8%), São Paulo (25,2%) e Rio de Janeiro (21,5%)”, diz trecho do texto. Desses estados, São Paulo é o único que não decretou estado de calamidade financeira. As informações são da Veja. 

Governo propõe salário mínimo de R$ 979 no ano que vem

08 Abr 2017 - 09h30


Governo propõe salário mínimo de R$ 979 no ano que vem
Foto: Reprodução

O governo vai propor um salário mínimo de 979 reais no Orçamento de 2018, ante os atuais 937 reais. A informação foi dada durante anúncio anúncio da meta fiscal para o próximo ano em evento no Palácio do Planalto com os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira. O aumento projetado pelo governo é de 4,5% em relação ao valor em vigor neste ano. De acordo com a Veja, a regra de atualização do salário mínimo prevê que, até 2019, seja aplicada a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior ao reajuste mais o crescimento do PIB de dois anos antes. Em 12 meses, o INPC acumula alta de 4,57%, segundo divulgou o IBGE na manhã desta sexta-feira. Quando o PIB é negativo, como na queda de 3,6% em 2016, ele não é considerado na conta.

Inflação é menor para 1º trimestre desde Plano Real

07 Abr 2017 - 13h30

A inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), perdeu força de fevereiro para março, passando de 0,33% para 0,25%, divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (7). Para o mês de março, é o menor resultado desde 2012, quando ficou em 0,21%. De acordo com o G1, no acumulado do ano, o índice ficou em 0,96%, o menor para o 1º trimestre desde o início do Plano Real, em 1994, quando ficou em 182,96%, segundo o IBGE, e bem menor que os 2,62% registrados no mesmo período de 2016. No acumulado dos últimos 12 meses, o índice ficou em 4,57%, ficando mais próximo da meta de inflação do Banco Central, de 4,5%, e menor que os 4,76% dos 12 meses imediatamente anteriores. Em março de 2016, o IPCA foi de 0,43%.

Produção de veículos sobe 18% em março, diz Anfavea

06 Abr 2017 - 17h30


Produção de veículos sobe 18% em março, diz Anfavea
Foto: Jonne Roriz/Veja

As vendas de veículos subiram 18% em março em relação ao mesmo mês de 2016, atingindo 234.746 unidades. Na comparação com fevereiro, o volume produzido teve alta de 17,1%. No primeiro trimestre, a indústria fabricou 609.844 veículos, um volume 24% maior que o do mesmo período do ano passado, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). As vendas de novos veículos em março tiveram alta de 39,4% sobre fevereiro e subiram 5,5% na comparação com o mesmo mês de 2016. No acumulado do trimestre, a indústria teve queda de 1,9% no volume licenciado em relação ao mesmo período do ano passado, para 472.035 veículos. De acordo com a Veja, o setor automotivo é um dos que mais emprega e tem grande impacto na economia como um todo, por integrar diversos fornecedores. De acordo com dados da Anfavea, o número de funcionários nas empresas do setor era de 103.635.

Relator da reforma da Previdência diz que vai alterar 5 pontos

06 Abr 2017 - 14h30


Relator da reforma da Previdência diz que vai alterar 5 pontos
Foto: Lay Amorim/Brumado Notícias

O relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Artur Maia (PPS-BA), afirmou que, após conversa com o presidente Michel Temer, fará modificações em cinco pontos da proposta: regras para trabalhadores rurais; benefícios de prestação continuada; pensões; aposentadoria de professores e policiais; e regras de transição para o novo regime previdenciário. O relator participou de uma reunião para discutir a reforma no Palácio do Planalto. De acordo com o G1, além de Temer e Maia, estavam entre os presentes o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o secretário da Previdência, Marcelo Caetano. Logo após a conversa, Temer deu entrevista à Rádio Bandeirantes na qual disse que havia autorizado o relator a flexibilizar pontos da reforma. Temer, no entanto, ressaltou que deve ser mantida a idade mínima de 65 anos para aposentadoria de homens e mulheres.

Bandeira vermelha deve continuar na conta de luz até o fim do ano, diz Aneel

05 Abr 2017 - 11h30


Bandeira vermelha deve continuar na conta de luz até o fim do ano, diz Aneel

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, afirmou na terça-feira (4) que as contas de luz vão continuar com a bandeira vermelha até o fim do período seco, que vai até novembro. O diretor explicou que o período úmido está se encerrando nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, por isso, mesmo que haja um regime de chuvas melhor do que nos outros anos durante o período seco, o volume de água nos reservatórios ainda estará baixo. O sistema de bandeiras tarifárias está em vigor desde 2015 e estabelece taxas adicionais nas contas de luz a depender da condição dos reservatórios das usinas hidrelétricas. Quando o armazenamento está baixo, é necessário ligar mais usinas termelétricas e o custo da produção de energia fica mais caro.

Governo Dilma tem 3º pior PIB da história do país, avalia estudo

05 Abr 2017 - 10h30


Governo Dilma tem 3º pior PIB da história do país, avalia estudo
Foto: Evaristo Sá/AFP

“Apesar de receber uma herança calamitosa em termos éticos, sociais, econômicos, políticos e institucionais, o governo Dilma, no lugar da ruptura com essa herança, optou pelo aprofundamento de estruturas, processos, relações e condutas viciadas.” É assim que o professor Reinaldo Gonçalves do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) conclui seu estudo “Conjuntura internacional, falhas nacionais e crescimento econômico”, uma análise do governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). O estudo, que possui 52 páginas, mostra que a taxa média de crescimento econômico no período em que Dilma ficou no poder (de 2011 ao primeiro semestre de 2016, quando foi afastada) foi de 0,2%, o que deixa a gestão da ex-presidente com o terceiro pior desempenho econômico entre os 30 mandatos da história republicana, ficando atrás, apenas, dos ex-presidentes Fernando Collor e Floriano Peixoto. Já a renda per capita brasileira cai, de acordo com a análise do professor, aproximadamente 4% no mandato de Dilma. No estudo, Gonçalves diz que “errar, errar de novo, errar pior parece ter sido a diretriz estratégica do governo Dilma”. Em sua análise, o autor afirma que, de fato, “a evidência apresentada confirma a hipótese que o desempenho econômico brasileiro é determinado, quase que totalmente, pelo conjunto de falhas nacionais”. As informações são da Veja.

Governo libera crédito consignado com garantia do FGTS

05 Abr 2017 - 09h30


Governo libera crédito consignado com garantia do FGTS
Foto: Agência Estado

Bancos já estão liberados a conceder empréstimo consignado – com desconto em folha de pagamento – usando o Fundo de Garantia do Tempo de Trabalho (FGTS) do trabalhador como garantia. Com juros mais baixos, esses empréstimos podem ser quitados em até 48 meses. “É uma alternativa de financiamento mais viável, porque os juros são menores. Isso significa crédito mais barato para os trabalhadores”, diz o ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira, que preside o Conselho Curador do FGTS. No crédito consignado, os juros mensais não podem passar de 3,5%, patamar até 50% menor que o cobrado em outras modalidades de crédito. O uso de FGTS para crédito consignado está previsto na lei 13.313/2016, aprovada em julho do ano passado. O Conselho Curador do FGTS aprovou a taxa de juros em dezembro. Faltava apenas a Caixa regulamentar o funcionamento das operações de crédito entre as instituições financeiras e as empresas para que as operações fossem liberadas, o que aconteceu agora. A Caixa é gestora do FGTS. De acordo com a Veja, os valores dos empréstimos dependerão do quanto os trabalhadores têm depositado na conta do FGTS. Pelas regras, eles podem dar como garantia até 10% do saldo da conta e a totalidade da multa de 40% em caso de demissão sem justa causa, valores que podem ser retidos pelo banco no momento em que o trabalhador perde o vínculo com a empresa em que estava quando fez o empréstimo consignado.

Indústria tem leve alta, mas cai 4,8% em 12 meses

04 Abr 2017 - 17h30


Indústria tem leve alta, mas cai 4,8% em 12 meses
Foto: Reprodução/EPTV

Em fevereiro, a produção da indústria brasileira registrou variação positiva de 0,1% em relação a janeiro. No entanto, frente a fevereiro de 2016, a atividade fabril caiu 0,8%, após avançar 1,4% em janeiro, quando interrompeu 34 meses consecutivos de resultados negativos nesse tipo de comparação. Em 12 meses, a produção industrial acumula queda de 4,8%, permanecendo no ritmo de queda que começou em junho de 2016 (-9,7%). Nos dois meses de 2017, a indústria variou positivamente 0,3%. De acordo com o G1, os números foram divulgados nesta terça-feira (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “A indústria está mostrando que o pior, com quedas sucessivas, ficou para trás. Mas não dá para dizer que setor iniciou um recuperação. A leitura para indústria é de estabilidade”, disse o economista do IBGE André Macedo, segundo a agência Reuters. “Os níveis de confiança melhoraram, mas ainda num patamar baixo. Por outro lado, o mercado de trabalho continua bem desfavorável, e o desemprego maior trava um pouco o setor industrial”, completou.

Nova regra para pagar cartão de crédito começa a valer

03 Abr 2017 - 15h30


Nova regra para pagar cartão de crédito começa a valer
Foto: Reprodução

As mudanças nas regras para o uso do rotativo do cartão de crédito começam a valer nesta segunda-feira (3). A partir de agora, os clientes terão restrições para fazer o pagamento mínimo da fatura e acessar o crédito rotativo. A determinação foi divulgada pelo Banco Central no dia 26 de janeiro. Diferente do que ocorria antes, quem optar por pagar o valor mínimo da fatura não poderá fazer essa opção por vários meses consecutivos. A restrição foi criada para coibir o uso do rotativo e obrigar os bancos a oferecer uma solução de parcelamento para o cartão de crédito com juros mais baratos. A taxa de juro do rotativo encerrou 2016 em 484,6% ao ano, segundo dados do Banco Central, que considera a média de todas as instituições financeiras.

Com mais saques, arrecadação do FGTS em 2016 é a menor em 7 anos

02 Abr 2017 - 09h30


Com mais saques, arrecadação do FGTS em 2016 é a menor em 7 anos

Com o aumento de saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em 2016, a arrecadação líquida do fundo foi a menor dos últimos sete anos, em seu terceiro ano de retração. A diferença entre o total de depósitos e de retiradas da conta dos trabalhadores foi de R$ 10,1 bilhões, 29,21% abaixo de 2015. Embora o volume de depósitos (arrecadação bruta) feitos pelas empresas tenha crescido 4,9% em 2016 – para R$ 119 bilhões –, o total de recursos sacados pelos trabalhadores no ano passado foi 9,85% maior ante 2015, o equivalente a R$ 108,8 bilhões, ajudando a reduzir a arrecadação líquida do FGTS. Esse aumento acontece em um ano em que o país voltou a fechar uma grande quantidade de vagas de trabalho com carteira assinada, em meio à forte recessão. No ano passado, o Brasil perdeu 1,32 milhão de empregos formais, segundo dos do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). De acordo com o G1, com o corte de vagas em 2016, o estoque de empregos formais no país caiu para 38,371 milhões, o mais baixo desde o final de 2011, quando 38,296 milhões de pessoas estavam em empregos com carteira assinada no país. Em 2017, o resultado do FGTS será impactado pela liberação dos saques das contas inativas até 31 de dezembro. A estimativa do governo é que essas contas tenham R$ 43 bilhões depositados por 30 milhões de trabalhadores.

Remédios terão reajuste de até 4,76% nos preços

02 Abr 2017 - 08h30


Remédios terão reajuste de até 4,76% nos preços
Foto: Reprodução

Os preços dos remédios poderão subir até 4,76%. Resolução da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed) fixou em 4,76% o reajuste máximo permitido aos fabricantes na definição dos preços dos medicamentos. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União. A regulação é válida para um universo de mais de 19 mil medicamentos disponíveis no mercado varejista brasileiro. Em 2016, o reajuste máximo autorizado foi de 12,5%. Em 2015, foi de 7,7%. Em 2014, o reajuste foi de 5,68%. De acordo com o G1, o reajuste leva em conta o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 10 de março de 2017, cuja taxa foi de 4,76% no período de março de 2016 a fevereiro de 2017. O Ministério da Saúde informou que o reajuste é o menor registrado nos últimos 10 anos. Para este ano, o ajuste médio autorizado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos ficou em 2,63%, valor abaixo da inflação acumulada de 4,76%.

Conta de luz será reduzida, em média, 15,46% na BA em abril

30 Mar 2017 - 13h30

A conta de luz será reduzida, em média 15,46% na Bahia no mês de abril para consumidores residenciais, de acordo com comunicado da Companhia de Energia Elétrica da Bahia (Coelba). A redução tarifária, sem considerar os tributos, será de R$ 6,65 a cada 100 kWh consumidos. A medida de redução na tarifa de energia foi determinada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), na terça-feira (28), para compensar os consumidores pela cobrança indevida de um encargo voltado a remunerar a usina de Angra 3, no Rio de Janeiro. Conforme a Coelba, a percepção da redução tarifária nas faturas dos consumidores se dará de acordo com os ciclos de leitura e faturamento de cada um, sendo que, em geral, será completada em dois meses. Por exemplo, se um cliente que teve o consumo aferido entre os dias 21 de março e 20 de abril, terá 10 dias com a tarifa vigente em março e 20 dias com a nova tarifa reduzida. Na conta do mês seguinte, o consumidor perceberá uma redução proporcional no valor referente aos demais 10 dias de abril com tarifa ajustada. As informações são do G1.

Conta de luz cairá até 20% em abril por cobranças indevidas

29 Mar 2017 - 10h30


Conta de luz cairá até 20% em abril por cobranças indevidas
Foto: Mundo da Elétrica

A conta de luz de consumidores de todo o país vai cair até 19,5% em abril devido à devolução de uma cobrança indevida de energia atrelada à usina nuclear de Angra 3. A decisão anunciada nesta terça-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) atinge a maioria das distribuidoras de energia, com exceção da Companhia Sul Sergipana de Eletricidade (Sulgipe), Companhia Energética de Roraima (Cerr) e  Boa Vista Energia. No caso dos clientes da Eletropaulo, a redução será de 12,44%. No caso da Light, do Rio de Janeiro, a queda será de 5,3%. A Cemig, de Minas Gerais, vai aplicar um desconto de 10,61%. A CEB, de Brasília, terá redução de 5,92%. A queda varia entre cada uma das distribuidoras por conta dos diferentes prazos de cobrança da energia de Angra 3. No caso da Eletropaulo, por exemplo, o valor foi cobrado indevidamente por nove meses. De acordo com a Veja, a redução ocorrerá apenas na cobrança do mês de abril.

Exposição do agronegócio pretende movimentar R$ 100 milhões em Conquista

29 Mar 2017 - 09h30


Exposição do agronegócio pretende movimentar R$ 100 milhões em Conquista
Foto: Reprodução/TV Sudoeste

A 51ª edição da Exposição Nacional do Agronegócio de Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, começou ontem (28), e segue até o dia 2 de abril. O evento, que acontece no Parque de Exposições Teopompo de Almeida, terá leilões, feira de negócios, bares, barracas além de atrações musicais. Nesta terça-feira, a entrada é gratuita. A partir desta quarta-feira (29), o ingresso vai custar R$ 6. A exposição de Vitória da Conquista é uma das mais tradicionais do país. Para quem gosta de carros e máquinas, o evento promete lançamentos. O público poderá conferir também a feira de artesanato conquistense e de negócios, com mais de 50 stands. A organização do evento estima que mais de 100 mil pessoas devem passar pelo Parque de Exposições de Vitória da Conquista até domingo (2). Mais de 300 expositores, de variados segmentos, vão participar do evento. Este ano, a expectativa é movimentar mais de R$ 100 milhões. Entre as atrações musicais estão Silvano Sales, Tayrone, Pablo, Solange Almeida e Léo Santana.

Arrecadação do governo com impostos tem leve alta em fevereiro

28 Mar 2017 - 11h30

A arrecadação de impostos e contribuições federais registrou novo crescimento em fevereiro deste ano, informou nesta segunda-feira (27) a Secretaria da Receita Federal. Foi o segundo mês seguido de aumento. Foram arrecadados R$ 92,35 bilhões em fevereiro, o que representa uma alta real de 0,36% frente ao mesmo mês do ano passado, quando somou R$ 92,03 bilhões. Os números já estão corrigidos pela inflação. Foi o melhor resultado para meses de fevereiro desde 2015 - quando somou R$ 104 bilhões. De acordo com o G1, assim como em janeiro deste ano, a arrecadação cresceu, no mês passado, principalmente por conta do aumento de 32,49%, em termos reais, nas receitas não administradas pelo Fisco, que somaram R$ 1,64 bilhão. Em fevereiro de 2016, elas haviam somado R$ 1,24 bilhão (valores corrigidos). Receitas não administradas são aquelas que vêm de cobranças feitas por outros órgãos do governo, que não a Receita Federal, como os “Royalties” do petróleo. Os números do Fisco mostram que a arrecadação também cresceu no primeiro bimestre deste ano, quando somou R$ 229,75 bilhões. O aumento real, contra o mesmo período de 2016, foi de 0,62%, em termos reais.